Filial Seixal do
Racionalismo Cristão


 

Região de Seixal

Com uma área de 95,5 km2, 164.715 habitantes e seis freguesias, Seixal é um dos 13 municípios do distrito de Setúbal.

Localização:
O Município do Seixal, pertencente à península de Setúbal, situa-se na margem sul do Tejo, e confronta, a sul, com o concelho de Sesimbra, a leste com o do Barreiro, e a oeste com o de Almada.

O concelho do Seixal ainda apresenta um nível significativo de dependência em relação a Lisboa, cidade a que está ligada por via fluvial e ferroviária. Contudo, graças à sua localização central, mantém uma proximidade notável com quase todos os concelhos da margem sul do Tejo.

É constituído por uma extensa frente ribeirinha, que se desenvolve ao longo de um braço do Tejo, formando uma baía natural de elevado valor ecológico e paisagístico, que serve de local privilegiado para actividades de desporto e tempos livres.

História:
As primeiras presenças humanas na zona do Seixal remontam ao período da pré-história, mas os vestígios conhecidos de ocupação mais antigos são da época romana. Presume-se que tenha sido também ocupado por populações muçulmanas que aqui teriam cultivado vinhas, olivais e figueiras.

Da história mais antiga da cidade do Seixal pouco ou nada se sabe, contudo, pode afirmar-se que a sua origem reside num pequeno núcleo de pescadores e o seu nome está associado à grande quantidade de seixos existentes nas praias ribeirinhas.

Nos séculos XIV e XV, devido à sua baía abrigada, Seixal foi local escolhido para a instalação de estaleiros navais, actividade que se desenvolveu sobremaneira durante a época dos Descobrimentos e aí permaneceu durante alguns séculos. Contudo, a actividade tradicional da população local continuou a ser a pesca.

Na época de Quinhentos, o povoado de Seixal fazia parte da Arrentela. Após a revolução liberal, sequência da reforma administrativa de 1836, no reinado de D. Maria II, o Seixal passa a ser um concelho.

Em 1895 o concelho é extinto, e as suas freguesias passaram a pertencer aos concelhos de Almada e Barreiro. Três anos mais tarde, o concelho foi de novo recuperado.

A partir da segunda metade do século XIX, registra-se um aumento do desenvolvimento económico e industrial, com a instalação de unidades fabris de têxteis, vidro e cortiça. Neste período, o Seixal passa a ser o principal centro corticeiro do país.

Nos anos sessenta do século passado, a instalação da Siderurgia Nacional (1961) e a ponte sobre o Tejo (1966), foram as impulsionadoras do desenvolvimento económico do concelho, marcando notoriamente o crescimento demográfico e alterando profundamente as suas características urbanísticas.

A 20 de Maio de 1993, o Seixal é elevado a cidade.

De "Município de Seixal" para a primeira página

Copyright©2005 racionalismo-cristao.org.br. All Rights Reserved